Os livros que se tornaram músicas do Blind Guardian Listas

Os livros que se tornaram músicas do Blind Guardian

26 de Fevereiro de 2018 | Gabriela Fernandes

Existe uma banda alemã que adora combinar música pesada com literatura, mitologia e fantasia. Um dos maiores clássicos do Power Metal, eles são respeitados e admirados pelos fãs do gênero e se tornaram conhecidos por explorar na sua música os mais diversos autores, principalmente o Mestre da fantasia, Dr. J. R. R. Tolkien. É claro que eu estou falando do Blind Guardian.

Os bardos (carinhosamente apelidados pelos fãs por sempre contarem histórias através da música, e também em uma alusão à um de seus hits, “The Bard’s Song – In The Forest”) têm a fama de “Seguidores do Tolkien”, e não é pra menos. O disco mais famoso, Nightfall In Middle-Earth, é inteiramente inspirado em O Silmarillion. Mas não somente de Hobbits, Elfos e Reis que vive o Guardião Cego. Confira abaixo uma lista com 9 livros que serviram de inspiração para algumas músicas dos alemães, e fica aí também umas indicações bacanas pra caso você também curta leitura!

1) The Silmarillion de J. R. R. Tolkien

Claro que abrimos a lista com ele, o mítico Nightfall In Middle-Earth, e, como já mencionado, o disco conceitual é completamente baseado em O Silmarillion. O livro é uma coletânea de contos que se passam antes dos acontecimentos em O Hobbit e O Senhor dos Anéis, desde a descrição dos deuses e da criação do mundo, até as circunstâncias que levaram à Guerra do Anel. Do início ao fim, o álbum funciona como uma narrativa que segue de mãos dadas com o livro, e possui várias passagens com trechos da obra.

O disco contém faixas de muito sucesso, como “Into the Storm”, “Mirror Mirror” e a manjadíssima “Nightfall”. Se você nunca ouviu nada dos bardos, esse é um ótimo começo. Inclusive, Nightfall In Middle-Earth completa vinte aninhos em 2018, pode esperar resenha comemorativa aqui no site!

2) Lord of the Rings de J. R. R. Tolkien

O amor pelas obras de Tolkien não para por aí, não. Na verdade, O Senhor dos Anéis já é mencionado pelo Blind Guardian desde a primeira música do primeiro disco, Battalions of Fear de 1988. A clássica “Majesty”, abertura do álbum de estreia, e “Run For The Night” são inspiradas na odisseia dos Hobbits, Elfos, Homens e Orcs, além das instrumentais “By The Gates of Moria” e “Gandalf’s Rebirth” terem títulos claramente referentes à obra.

Acabou? Claro que não, meus jovens, ou vocês acham que os caras ganharam a fama à toa? No terceiro disco, Tales From The Twilight World, de 1990, mais duas músicas referentes à saga do Um Anel. “Lost in The Twilight Hall” (com a excelentíssima participação de Kai Hansen) fala sobre os momentos de Gandalf depois de derrotar o Balrog, em Moria, enquanto não retornava como Gandalf, o Branco. E, claro, outro hino da banda, “Lord of The Rings”, que dispensa comentários sobre o que se trata.

3) The Hobbit de J. R. R. Tolkien

O terceiro e último livro que ganhou uma música de Power Metal foi O Hobbit, livro que se passa antes dos acontecimentos de O Senhor dos Anéis, contando as aventuras do simpático Bilbo Bolseiro e mais 13 anões. A música “In The Forest – The Hobbit” faz referência à Montanha Solitária, lar do dragão Smaug, e o grande tesouro guardado nela, sobre o encontro com os Trolls, sobre a loucura que atormenta Thorin Escudo-de-Carvalho, entre outros acontecimentos da obra.

4) Ilíada de Homero

Um dos poemas épicos gregos mais conhecidos da literatura, a Ilíada narra os acontecimentos do final da Guerra de Tróia, conflito que supostamente ocorreu entre gregos e troianos na Idade Antiga. O clássico da Antiguidade também ganhou uma canção no disco A Night at The Opera, de 2002. “And Then There Was Silence” consiste em um épico de 14 minutos que narra as visões sobre a queda da cidade de Tróia do ponto de vista da troiana Cassandra, irmã de Heitor e Páris, que possuía o dom da vidência.

5) A Song of Ice And Fire de George R. R. Martin

Em um dos trabalhos mais recentes da banda, a fantástica saga As Crônicas de Gelo e Fogo, também responsável pela sensação da HBO Game of Thrones, inspirou duas músicas do disco At The Edge of Time. Sim, o trabalho é de 2010, eles leram George R. R. Martin before it was cool. O single “A Voice In The Dark” é focado em Bran e suas visões de corvo, enquanto “War of the Thrones” é mais abrangente, pegando várias referências da série de livros.

6) The Wheel of Time de Robert Jordan

Quando me deparei com a letra de “Wheel of Time”, percebi que se tratava de mais um livro fantástico. Sem precisar pesquisar muito, descobri uma série de livros homônima. A Roda do Tempo é uma história no pique O Senhor dos Anéis. No mundo dos livros, realmente existe A Roda, criada pelo Criador (isso é bem intuitivo). Há rumores sobre um Dragão Renascido, um herói que seria capaz de canalizar os poderes da Roda, e assim ele teria o poder de vencer o Mal na guerra que está por vir… Ou juntar-se à ele. “Ride Into Obsession” do mesmo disco também é inspirada no livro, e conta do ponto de vista do Dragão.

7) It de Stephen King

Talvez o maior clássico do Rei do Terror, A Coisa, de Stephen King, inspirou a música “Guardian of the Blind” do disco de estreia Battalions of Fear. O icônico livro conta a história de sete pessoas que, quando crianças, eram atormentadas por uma criatura que se alimentava do medo, o palhaço Pennywise. Anos depois, eles são chamados de volta para o confronto final, quando o palhaço volta a matar crianças pela cidade fictícia de Derry. A musica se passa com os personagens já velhos, quando eles são obrigados a enfrentar a velha criatura.

8) The Dark Tower de Stephen King

A épica “Somewhere Far Beyond”, do álbum homônimo de 1992, é baseada nos dois primeiros livros da série A Torre Negra, também do Mestre do Terror. Os livros contam a história de um pistoleiro que está em busca de uma torre, A Torre Negra, cuja natureza é tanto física quanto metafórica. A música é igualmente metafórica, narrando as aventuras de Roland Deschain em busca de seu objetivo.

9) Dune de Frank Herbert

Os fãs do quarteto provavelmente já relacionaram o nome do livro com um trecho muito bem conhecido das músicas do Guardian. O coro “The morning Sun of Dune” abre o disco Tales From The Twilight World e de cara já denuncia que é uma música inspirada em Duna, um ícone da ficção científica. A energética “Traveler of Time” reconta a história de Paul Atreids, num cenário feudal porém futurístico, que é obrigado a sair de seu planeta natal para sobreviver em um planeta árido distante devido à alguns conflitos intergaláticos.

Claro, além desses nove livros, muitos outros serviram de base para discografia do quarteto alemão, alguns que sequer foram traduzidos e lançados no Brasil. Além disso, a banda também se inspira em filmes e mitologia, ou seja, o catálogo de referências é bem maior!

Confira nossa playlist no Spotify:

Ficou curioso pra ler algum deles? Ou pra conhecer mais do Guardião Cego? Conta pra gente nos comentários!

Gabriela Fernandes

Gabriela Fernandes

Carioca da gema, estudante de química e ouvinte apaixonada de música pesada. É a louca do metal progressivo e adora enaltecer as bandas favoritas na rodinha dos amigos. Seguidora de George R. R. Martin e admiradora de universos fantásticos em geral. Acredita que uma boa pizza resolve tudo.

Topo ▲